por que não podemos deixar de sentir sentimentos ruins

Precisamos falar sobre os nossos sentimentos porque lidamos com eles o tempo inteiro. E nada melhor do que analisá-los e entendê-los pra que deixem de ser fardos. Escondê-los não nos leva a nada, já que continuaremos sentindo tudo, inclusive aquilo que a sociedade entende como ruim: inveja, ansiedade, medo, insegurança, tristeza.

E é sobre isso que a Jout Jout fala no vídeo “EU SOU UMA ORQUÍDEA”, no canal JoutJout Prazer.

Depois de assistir, eu me lembrei de todos os momentos em que me senti triste e evitei chorar em público. Ocultei muitas emoções até de mim mesma. Eu não gostava de chorar nem quando estava sozinha, em casa, por mais que sentisse vontade: via a tristeza como uma fraqueza.

Ainda assim, houve momentos em que eu explodi.

Quando sentei no banco mais afastado que encontrei na faculdade e por acaso meus amigos me encontraram chorando e vieram conversar.

Quando tive uma crise de ansiedade no meio da rua e corri pra casa de outros amigos, que moravam perto, chorando no sofá até que a crise passasse.

Quando sai da sala no meio de uma aula, na época da escola, chorando porque eu não estava me sentindo bem com o que alguns colegas tinham me dito mais cedo.

Chorei várias e várias vezes na frente de pessoas queridas e até de pessoas desconhecidas, mas me senti mal por isso todas as vezes.

Porque eu achava que precisava manter a tristeza dentro de mim, escondida de todos que estavam ao meu redor – como se fosse errado sentir.

Houve até vezes que eu senti inveja e quis fingir que não sentia nada. Mas o vídeo me fez refletir também sobre isso: eu simplesmente deveria ter me permitido sentir e ao invés de condenar a inveja como errada antes mesmo de pensar a respeito. Deveria ter tentado entendê-la – e entender o que a gerava.

Também já fingi que tudo que eu sentia era coragem quando o medo me sufocava. E agir como se nada de ruim existisse em mim só me fez mal. Mais uma vez, eu deveria ter pensado sobre o que me incomodava. E ter enfrentado o que eu precisava enfrentar, apesar do medo. Mas sem sufocar o sentimento. Ignorá-lo, afinal, não fez com que ele deixasse de existir.

Definimos que existem sentimentos bons e ruins porque temos essa necessidade de nomear e classificar tudo que existe ao nosso redor e também dentro de nós.

Mas, ao invés de ignorar aqueles que escolhemos como ruins, poderíamos tirar deles o melhor que têm a oferecer: aprendizado e autoconhecimento. Porque todos os sentimentos que nos habitam dizem muito sobre nós mesmos e também sobre as pessoas com quem convivemos.

Espero, então, que a gente deixe de lado a busca por uma personalidade perfeita e se aceite, com tudo que somos e sentimos incluído no pacote.